Enem dá tensão

Gabaritos do Enem no ar… E nem dá tensão pensar no enem.

Anúncios

Ahh, o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio)… A prova mais aguardada do ano por milhares de estudantes, seja para tentar entrar em uma universidade (via SISU, PROUNI, FIES e outras siglas), seja obrigado pelos pais, seja para se divertir (hã) ou só pra ver o #ShowDosAtrasados… E nem dá pra esquecer que ele existe.

Pessoas tentando não se tornar memes por chegarem após o fechamento dos portões e começarem a fazer escândalo.

Costumo dizer que o Enem é uma maratona em vez de uma prova para avaliar os alunos do ensino médio. Afinal, tem gente que passa o ano todo se preparando (cursinhos, simulados, videoaulas, 400 metros com obstáculos (para chegar antes do portão fechar), salto em distância (para pular o portão se ele estiver fechando) e aulas de teatro (caso a corrida e o salto não funcionem, pelo menos dá pra ter os 15 minutos de fama fazendo escândalo na frente do portão)). Mas isso é só a primeira parte, que é fazer a prova.

Estudiosos? Ou chutantes?

Depois de dois dias de provas (no meu tempo, eram dois dias seguidos) e uns torcicolos (ou vai dizer que ficar 5+ horas olhando pra baixo não trava seu pescoço?), começa a tensão real: descobrir quantas questões acertou. Hoje saiu o gabarito das provas, então quero ver começar a choradeira do tipo “Acertei tantas em química/física que é melhor começar a fazer arte para vender na praia”. Lembrando que número de questões certas na prova não significa maior nota…

Se você preencheu o gabarito como mostrado nessa imagem, está errado por dois motivos: 1º era pra usar caneta preta. 2º O certo é preencher completamente o quadrado (ou bolinha, sei lá)

Depois da calmaria (exceto para pessoas que estão se preparando para entrar na universidade/faculdade, pois depois do Enem é que começam os vestibulares de verdade), após as festas de fim de ano, é a hora da verdade: saber se todos aqueles chutes cálculos e teorias nas matérias de exatas e toda aquela enrolação leitura na prova de humanas valeu a pena para garantir uma boa nota, e se sua redação não foi zerada (afinal, pelo que eu sei, falar do signo Libras em vez da Linguagem Brasileira de Sinais é fugir do tema).

Redação nota 1000? Só se for em culinária.

Um dos maiores pontos de tensão do Enem é o Sisu – aqueles dias com o servidor instável, com a nota de corte dos cursos pretendidos subindo exponencialmente… E depois o desespero abordado pelas manchetes de “Não passei no Sisu, e agora?”. Fies e Prouni devem ser a mesma tortura (principalmente com o governo cortando coisas a cada dia…)

Enfim, a minha dica para tudo isso é: faça o Enem bem feito uma vez, tenha pelo menos uma segunda opção (fora do Sisu), passe em uma das duas, matricule-se e nem pense mais no Enem.

(nota: só avisando que depois vem o Enade, o Poscomp (para pós-graduação na área de computação, no meu caso), entre certificações, concursos e outras graduações. Ou seja, Enem se livrou, mas provas não faltam. Ah, e já citei a famosa monografia de conclusão de curso, ou TCC?)

Tem gente que diz que Enem é só uma prova, e nem dá tensão e nem é difícil… ¬¬’

ClaMAN

P.S.: Ananhã tem postagem sobre Proclamação da República. Para quem foi mal em história no Enem, já podem começar a estudar para o Enem 2018 :)

Outro sentido de músicas folclóricas #3

Boi da cara preta, Fui no Itororó… Você já parou pra pensar direito nessas músicas?

Antes que você questione o 3 no título, essa “série” é tão velha quanto o blog. Reveja a parte 1 e a parte 2, se quiser (não recomendo).

Pronto, já falo o tema do post.

O folclore nacional compreende mitos, lendas, cantigas, brincadeiras, simpatias e qualquer coisa que o povo inventou (e continua inventando) para explicar coisas que parecem sobrenaturais que não entendem ou apenas para educar as crianças por meio de traumas.

Hoje é um dia ótimo para falar de músicas e canções folclóricas brasileiras e, além de falar, perceber que, de normais, elas não tem nada…


A primeira de hoje é mais uma clássica canção de ninar:

Legítimo boi da cara preta.

Boi, boi, boi

Boi da cara preta

Pega essa criança

Que tem medo de careta

Normalmente, canções de ninar são ouvidas quando a criança ainda não tem capacidade de discernimento. Por isso ela não percebe que isso não é uma cantiga, é uma ameaça.

Para começar, já coloca a criança em situação de inferioridade por ter medo de careta. Medos são coisas comuns e irracionais, tem gente que tem medo de palhaços, tem gente que tem medo do número 666… Se alguém tem medo de careta, quem somos nós para julgar? Em seguida, chama o tal “boi da cara preta” para pegar a criança. Será um boi mesmo? Será que ele é do mal (racismo com a cor da face do bovino)? Fica aberto para debates se não é uma gíria para alguém que pode “pegar” a criança.


A próxima é uma música que entra mais como tema infantil do que canção folclórica mesmo, mas vale:

Fonte do Itororó, em Santos – a autêntica, recuse imitações

Fui no Itororó beber água não achei
achei bela morena que no Itororó deixei

Aproveite, minha gente, que uma noite não é nada
Se não dormir agora, dormirá de madrugada

Ó dona Maria, Ó Mariazinha,
entrarás na roda e dançarás sozinha

Sozinha eu não danço nem hei de dançar
porque eu tenho o fulano para ser meu par

A primeira parte da música é uma situação que pode ser comum em alguns lugares do Brasil: falta de água. Porém, rapidamente o tema foge do fato que o eu lírico (narrador, a pessoa que foi no Itororó beber água) não achou água no Itororó mas achou uma bela morena que lá deixou.

1º Como alguém deixa uma moça numa fonte, rio ou o que quer que seja? Será relacionada à época da escravidão, e o eu lírico deixou-a presa?

2º Como uma pessoa deixada em uma fonte, rio ou o que quer que seja ficou lá até o desumano do eu lírico voltar lá? E o pior: ele nem foi para buscá-la, foi só beber água!

As primeiras 2 linhas deixam essas questões socioculturais para debatermos. As 2 seguintes parecem referência a “escapadas” noturnas.

Os últimos quatro versos, assim como outras músicas folclóricas, ensinam a crianças o que é bullying (isolam a tal Mariazinha na roda por ela não ter um par) e também incitam ao machismo (pois ela, em vez de mostrar que pode se virar sozinha, escolhe um fulano qualquer como par, ficando dependente dele para ser bem vista pela sociedade opressora).


Não é porque é folclore que é antigo: folclore é atual, está ligado a problemas recentes da sociedade. Porém, nem todas as lições do folclore são boas (machismo, egoísmo, bullying, violência a animais são alguns exemplos). Na dúvida, ensine crianças a tocarem (apenas instrumental), não a cantarem essas músicas.

ClaMAN

P.S.: Na próxima postagem da série: o controverso poeminha “Batatinha quando nasce”, a cruel cantiga “Sambalelê” e a estranha “Borboletinha lá na cozinha”. Me lembrem disso ano que vem.

P.S.2: A cada postagem dessa série, o nível de “outros sentidos” nas músicas piora.

Diário (inútil) do ClaMAN #7

Agosto, mês em que vejo um monte de aniversariantes e coisas relacionadas a aniversários.

Já passamos do meio do mês de agosto, então é o momento certo para publicar o único diário que é postado mensalmente.

Imagem ilustrativa. O ClaMAN não é a Sakurauchi Riko de Love Live, não escreve essa postagem em uma praça durante o outono e nem tem um sorriso tão brilhante. Arte por Marshall

Como já passamos do meio de agosto, muita coisa que volta em agosto (aulas, trabalhos, feriados, séries, atrasos em tradução de animes) já voltou ou está voltando aos poucos…

Exceto meu tempo livre. Esse só diminui.

Minha criatividade também não anda se manifestando tanto.

Porém, se tem uma coisa que estou vendo de monte nesse mês são aniversários (incluindo o meu)(pais, o que vocês fizeram entre novembro e dezembro?). Aniversários também são relacionados a…

Festinha de aniversário 2D. De novo, o anime é Love Live, arte por Qianqian.
  • Festas (sejam elas infantis (com montes de crianças berrando), familiares (com parentes próximos… Ou não), de jovens (e aquela infame versão do “Parabéns pra você” regada a música até tarde) ou de debutantes (nem comento). Convites não inclusos.
  • Privilégios por conta da idade (passou de 13, é adolescente… Passou de 18, já pode ser preso e dirigir… Passou de 21, já é responsável pelos próprios atos…)
  • Presentes (de lembrancinhas a coisas caras, de coisinhas inúteis (como esse blog) a coisas de qualidade e utilidade)… Dependem de quem dá.
  • Bolo.

Bolo, por sinal, normalmente é aquele bolo confeitado, recheado e delicioso, com velinhas em cima. E aqui eu fecho a postagem com essa imagem de velinhas para quem já nem conta mais a idade:

Aquelas velinhas para te lembrar que, se tem algo que aumenta com um aniversário, é a idade.

(TRADUÇÃO: “Quem está contando velinhas? Você está velho”)

ClaMAN.idade ++

P.S.: Tento animar as coisas por aqui na próxima semana. AnimeRelacionado? Talvez.

P.S.2: A idade física aumenta, mas a altura continua igual e a idade mental diminui…

P.S.3: Aceito sugestões de postagem como presente. Ou comida.

Frio à moda brasileira

O inverno chegou, afinal.

O inverno chegou! (E, agora, não dá mais pra fazer trocadilho com Game of Thrones)

Imagem de Touhou para evocar o espírito dessa estação. Arte por Kaatoso.

Enfim, se você não fez isso ainda, é hora de tirar agasalhos e cobertores de dentro do guarda-roupa. Mesmo sabendo que o solzinho da tarde vai esquentar tudo e provavelmente as blusas extras voltarão amarradas na cintura ou carregadas no braço.

Temos férias escolares no mês que vem, aliás… Mesmo sendo inverno, nenhum inverno brasileiro é tão rigoroso que impeça o brasileiro de viajar para a praia, por exemplo.

Esse é o tipo de coisa que surge quando neva demais.

Ah, mas já que é inverno, melhor viajar para o sul e curtir a neve que às vezes aparece? Se você tiver boa sorte, vai conseguir ver um pouquinho de gelo em alguns lugares por lá.

Lembrando que logo teremos algumas madrugadas mais frias do ano e o noticiário não vai cansar de anunciar isso todo dia.

ClaMAN

P.S.: Não estou com senso de humor hoje.

Festas juninas

Postagem sobre festas juninas em puro sotaque (estereotipado) de caipira procêis.

Aviso: essa postagem contém sotaque estereotipadamente caipira.

O arraiá começô, cumpadi!

Já que tâmo em junho, o que tem em um monte de lugar é festa junina (purquê se fosse em julho, seria julina, uai sô).

Mas… Por quê qui é junina? Num podia sê em outro mêis? Aí eu é que te exprico, cumpadi: é que junho é o mêis que tem um monte de dia de santo: Tem as festa de Santo Antônio, o santo casamenteiro, no dia 13 (oia só, um dia depois do dia dos namorado!). Depois, o santo festeiro (e o santo qui também dizem qui deu nome pra festa), São João, dia 24. E, por úrtimo, 29 de junho é dia de São Pedro.

Óia os mister e as miss caipirinha do ano!

Essas quermesse é tudo de bão, num é, cumpadi? De comida, vai tê tudo quanto for coisa de milho (bolo, pamonha, curau, pipoca e o que mais ocê lembrá), cuscuz, paçoquinha, arroz doce, pastel (pera, isso foi o povo da cidade que trouxe), pé de moleque… De bebida tem quentão e vinho quente pra aquentá, hehe.

E num é só de comida que nóis se diverte, intão tem um monte de brincadeira típica, fora as música (forró, baião e outras modinha que o sanfoneiro quisé tocá) e, claro, a quadrilha!

Num vai pensá naquelas quadrilha de bandido não! Quadrilha de festa junina é dança, que veio lá da França e virô tradição pros lado de cá. E pode dançá de tudo quanto é jeito, quem quisé: muié, home, criança ou vovô, só num dá pra dançá sem par. A ponte quebrô! É mintira!

Fogueira, pau de sebo e pescaria são outras coisa qui tem em umas festa junina por aí. E o correio elegante, pra paquerá as caipirinha… Tem uns qui bota inté bingo no meio da festa (depende da sorte)! Tinha balão também, mas hoje em dia é perigoso dá incêndio, intão vamo só ficá com balão de mintirinha.

Taí umas ideia procê decorá sua festa junina, cumadre. Esse num tem perigo de pegá fogo.

Agora é hora de aproveitá a quermesse! Vai procurá a festa mais perto docê, cumpádi!

CraMâm

P.S.: Peço desculpas (ou não) a todos os caipiras ou a aqueles que falam com sotaque caipira e se sentiram ofendidos com a postagem.

P.S.2: Festas juninas são mais populares em igrejas (por seu sentido religioso e pelo valor arrecadado com venda de comidas e tal) e escolas do fundamental (porque é bonitinho ver as crianças dançando quadrilha e, para alguns, é a única vez na vida que vão poder ficar de mãos dadas com uma garota, dançar com ela e ainda chamá-la de “par”).

P.S.3: Essa postagem era para ser publicada na quarta (que foi um dia depois do dia de Santo Antônio), mas uns remédios para uma tosse chata e um estômago em crise me deram uma sonolência braba. Estou melhor agora.

B Ô N U S :

Uma fanart de uma “fazendeira” conta como representação de caipira em anime? Espero que sim. (Kazami Yuuka (ou USC) de Touhou, arte por Mokku)

Vida de estudante em fim de semestre

Você quer férias? Terá que passar pelas provas e trabalho de fim de semestre primeiro!

Começou a época de fim de semestre e, como todo fim de semestre, qualquer estudante começa a frequentar igrejas para rezar pela nota (e, se for católico, vai fazer novena a Sto. Expedito, santo das causas impossíveis), ou a invocar criaturas sei lá de onde para salvar-lhe do perigo da DP, ou a correr atrás de professores só para chorar um último trabalho que salve sua nota.

Esses fins de semestre são horas de ver quem se salvou na matéria indo embora sorridente e de ver os corações partidos e os litros de lágrimas de quem já sabe que aquela matéria lhe espera novamente no semestre seguinte.

Porém, se ainda há a chance de salvação/redenção, é comum ver os estudos e as dúvidas urgentes surgindo cinco minutos antes da prova, e família, amigos, jogos e até amores sendo deixados de lado.

“Não vai dar para sair com você no dia dos namorados, meu amor… Tenho que entregar um trabalho e fazer duas provas nesse dia.”

De qualquer maneira: tome muito café, tente estudar direito, relaxe de vez em quando e pense que, quando toda a tortura dessa fase acabar, tem férias.

ClaMAN

P.S.: Sim, teremos especial de Dia dos Namorados. Pelo menos uma postagem, no máximo três. Para os apaixonados de plantão, se preparem.

P.S.2: Para os solteiros, temos postagens normais a partir do dia 14.

Apresentações de trabalhos

Ah… A vida de estudante… A convivência com apresentações de trabalhos…

Não importa se for primário ou mestrado, um estudante sempre terá que conviver com uma coisa: apresentações.

Err, então, a revolução constitu… Consitu… Contribucionacionalista foi em… Mil novecentos e vinte e dois, né… E daí…

Segundo qualquer professor, a apresentação de trabalhos (ou seminário (não confunda com este seminário)) diante da classe serve para avaliar, além do próprio trabalho, a postura do aluno e sua proficiência e desenvoltura para falar em público. Afinal, no mercado de trabalho, o estudante terá que desempenhar diversas apresentações e expor suas ideias em público, e a escola é o local onde ele pode errar.

(Na verdade, apresentações de trabalho são simplesmente formas de tortura para os tímidos, são provas de fogo para os que não estudaram e são humilhações para os que fizeram o trabalho e tem que aguentar as pessoas do grupo distorcendo todo o conteúdo dele #SóAVerdade)

Não há idade para começar a fazer apresentações de trabalhos.

Apresentações de trabalhos costumam ser em bandos grupos (“professora, pode ser dupla de três?”) e, dentre os integrantes do grupo, sempre tem:

  • Aquele que fez o trabalho inteiro e deveria apresentar sozinho
  • Aquele que imprimiu as imagens/fez os slides e acha que sabe do trabalho todo
  • Aquele que é amigo do que fez o trabalho todo e não faz a mínima ideia do tema do trabalho
  • Aquele que tem uma vergonha danada de apresentar e, mesmo sabendo o conteúdo, provavelmente vai faltar no dia ou simplesmente começar a chorar durante a apresentação.
Porque esse tópico é muito importante para todos e… (continua a ler o slide)

No começo (primeiros anos da vida escolar), o estudante tem seu trabalho apresentado, seu cartaz colado na parede e pronto, sem pânico. No ensino médio, os professores já começam a fazer perguntas (leves, mas instigantes) sobre o tema. Aí você passa para uma faculdade/universidade e tem regras como: 20 minutos (no mínimo) para apresentar, entregar a parte escrita na semana anterior, as perguntas (do professor e dos alunos) passam a cobrar muito mais estudo…

Mas, se tem uma coisa que, não importa se o trabalho for individual ou em grupo, apresentado em cartaz, data show ou dancinha, com 3 ou 30 minutos para ser descrito, com professores legais ou que vão querer enfatizar que você não colocou o ponto final no slide 12 depois de destroçar sua alma pelo trabalho todo…

Sempre tem aqueles que fazem o trabalho no último instante possível (no pior dos casos, é quando o grupo anterior está apresentando)

ClaMAN

P.S.: Já terminou o próximo trabalho a apresentar para este mês? (Duvido)

P.S.2: Apresentei um trabalho hoje. Ainda bem que o professor fica com um humor melhor na nossa turma do que na apresentação de trabalhos da turma do semestre anterior. Sorte de “veterano”?