O que são 8 anos

Ressuscitando um blog inútil.

Segundo um site de perfil de comportamento conforme a idade, uma criança de 8 anos é tão animada quanto uma de 4, porém mais madura (boa parte já sabe ler e escrever e interage melhor com o mundo à sua volta).

8 anos para um ônibus urbano significa que você já vai chamar esse ônibus de velho – vidros manchados, bancos riscados e gastos, talvez goteiras e um tanto de barulho demais.

8 anos para um presidente, governador ou prefeito significa que ele conseguiu a proeza de ser reeleito uma vez e agora vai ter que deixar seu governo para outro.

8 anos é o tempo de vida de coelhos, andorinhas e gralhas. Mais que isso é sorte.

8 anos para um programa ou sistema empresarial, como um site de banco ou afins, significa que ele já é chamado de legado e é um sistema difícil de manter e de melhorar – provavelmente já se está pensando em um novo sistema para substituí-lo.

8 anos para um blog inútil que passou um ano sem postagens é tão inútil quanto esses dados que passei acima. Mesmo assim, são 8 anos, 37.261 visualizações em 2018 (cerca de 100 por dia)(mesmo com míseras 8 postagens durante o ano inteiro) e nenhuma perspectiva de envelhecimento. Afinal, passam-se os anos, passam-se as tecnologias, ninguém mais lê blog quando se tem montes de canais no YouTube pra tudo, mas sempre vai ter algo inútil pra se falar por aí. Algo que acabe fazendo a gente se distrair e talvez rir um pouco, principalmente em um começo de ano que não teve muita notícia boa…

8 anos de Utilis Inutilis. Ainda está aqui e, se tudo der certo, vai ter postagem semana que vem \o/

cslclaman

P.S.: Para fazer postagem em blog, estou tão enferrujado que anda complicado. A Retrospectiva Anual do Utilis Inutilis referente ao ano de 2018 ainda não saiu e, fora isso, estamos sem agenda de postagens (de novo).

P.S.2: Ainda se lembram de mim?

Beijos de um morto-vivo

Dia do beijo + Sexta-feira 13.

Dokuro-chan

Hoje é (ou foi) 13 de abril, dia do beijo (o primeiro do ano) e também, por acaso do destino, uma sexta-feira. Lógico que, mesmo depois de dois meses de desaparecimento recesso, eu não podia perder a chance de postar em um dia tão especial, não é? Afinal, em que outro dia de que outro ano eu poderia juntar beijos apaixonados e cenas sangrentas, azaradas e assustadoras?

 Yume Nikki. Arte por Marimo Shounen.

Hoje é (ou foi) um dia péssimo para quem tem triscaidefobia, é um dia de sorte ou de festa para alguns lugares, é um dia comum para outros países que não ligam para essa coisa de sexta-feira 13 (por exemplo, no Japão as pessoas não gostam do número 4, enquanto que o número 13 é normal pra eles). Por fim, hoje é (ou foi) um dia de muita pegação paixão para você que se encaixa em um desses casos:

Caso 1: Você namora um ser que morreu mas, ao mesmo tempo, está vivo.
Caso dois: você namora uma pessoa que suga seu sangue ou é de outra espécie sobrenatural.

Outros casos foram cortados para que essa postagem fosse publicada no dia certo.

cslclaman

P.S.: Ainda não estamos de volta oficialmente.

Tipos de chocolate para o Valentine’s Day

Que tipos de chocolate podem ser dados (ou recebidos) no Valentine’s Day (estilo japonês)?

Hoje, além de Quarta-feira de Cinzas, é Valentine’s Day (para os brasileiros que se importam com isso). Vocês devem se lembrar do que garotas japonesas fazem nessa data e como elas fazem (ou podem fazer) isso.

Esse é o meu presente de amor para você… Kurosawa Ruby, de Love Live!, arte por Yopparai Oni.

Enfim, considerando que você já leu sobre essas coisas aqui no blog (se não leu e não quer ler os links lá em cima, veja nota 1 no rodapé) e tem um pouco de noção de animes, ESSA POSTAGEM É PARA VOCÊ! Se você nem se interessa por animes e nem pelo que japoneses fazem no dia 14 de fevereiro, pelo menos fique pelo chocolate. Se não gosta de chocolate,

Então, que tipos de chocolate você poderia ganhar hoje? (considerando uma hipótese que você siga costumes japoneses e tenha namorada(o).) (referência: minha mente e meus 9 anos de experiência com animes)

Chocolate ao leite (o comum)(comprado pronto):

Asashio, Kantai Collection. Arte por Kayuma.

Aquele sabor gostoso presenteado por uma pessoa que gosta de você de verdade.

Chocolate comum (ou nem tão comum)(feito em casa (veja nota 2)):

Takayama Sayoko, Idolmaster. Arte por Megurumiru.

Vem do tipo de pessoa que se esforça para (tentar) fazer você ficar feliz. Se for bom, é o tipo de pessoa que também se importa com o seu bem estar. Se não estiver tão bom, tente ajudá-la a fazer o chocolate no ano seguinte, essa pessoa pode ter dificuldades (ou só alma de artista) (Nota: em caso de problemas estomacais, procure um médico)

Aquele chocolate barato:

Miyazuki Yozora (uma legítima amiga de infância), de Boku wa Tomodachi ga Sukunai. Arte por Hews Hack.

Vem da amizade de infância. Já são tantos anos de convivência que você tem coragem de criticar na cara… Mas sente falta quando a pessoa não está ao seu lado.

Chocolate meio amargo (ou amargo por fora e doce por dentro):

Akebono, também Kantai Collection (tsundere). Arte por Yuki to Hana.

Quando a pessoa não admite os sentimentos e parece fria com você mas, no fundo, te ama (tsundere).

Chocolate apimentado:

Letty Whiterock, Touhou. Arte por Cato (monocatienus). As outras imagens desse tipo eram pervertidas demais.

Quando a paixão (e a vontade de ir para um lado “mais quente” da relação) é maior.

Chocolate sangrento:

Aragaki Ayase, (yandere de) Ore no Imouto (oreimo pra abreviar). Arte por Layov.

Da pessoa que jurou matar qualquer um que tentasse se intrometer no amor de vocês e que pode te matar caso você não coma o chocolate que ela te deu com tanto carinho. O gosto de sangue é das “inimigas” que tentaram te entregar chocolate antes (e foram derrotadas pelo caminho).

Chocolate sem lactose:

Arte original por Roll (okashi).

Eu ia falar que é aquele tipo de relação falsa (mas isso poderia ofender alérgicos a lactose). Na verdade, poderia ser mais como um relacionamento de manias, regras ou costumes bem definidos.

Chocolate branco:

Remilia Scarlet, de Touhou. Arte por Nikku Ra

Fica para o White Day (14 de março) porque… Bem, é o costume deles.

ClaMAN

Nota 1: Resumo: No Japão, no dia 14 de fevereiro, as garotas costumam dar chocolates às pessoas próximas (não precisa ser necessariamente namorado ou paixão). Claro que para os garotos japoneses (dos animes)(a maioria são nerds virjões), ganhar chocolate de uma garota é um presente e tanto. Lembrando que, no dia 14 de março, ele precisa retribuir com um chocolate branco.

Nota 2: Segundo a cultura dos animes, algumas garotas acham que a melhor maneira de mostrar seu amor para um garoto é fazendo o chocolate à mão. Não me pergunte se elas fazem do zero ou só derretem as barras prontas e moldam do jeito que quiserem.

Continue Lendo “Tipos de chocolate para o Valentine’s Day”

Carnaval: a origem

Um pouco de curiosidades sobre o carnaval… Bem na hora em que o carnaval acaba.

(Parece nome de filme, né?)

Hoje é (ou foi) feriado de carnaval, ou seja, aquela festa de pular, se fantasiar, esquecer os problemas e, em alguns casos, esquecer da civilidade e sair agarrando qualquer um na rua, usar qualquer poste como banheiro, perder os limites e beber (e consumir outras substâncias piores) de monte

Mas tudo bem, é carnaval!

Esse ano, os foliões aproveitaram para reclamar do governo enquanto curtiam a festa. Outros aproveitaram a festa para esquecer do governo. Outros, talvez gente do governo, queriam esquecer da festa. Outros (como eu) nem ligam para a festa (e alguns nem ligam para o governo).

Esse período carnavalesco sempre foi visto como um período mais “livre”. Ou seja, se solta e vai pra rua (veja P.S.1)! Antigamente, eram festividades para comemorar o início da primavera (e para espantar “espíritos maus” do inverno), ou momentos de descontração antes da quaresma (tempo de jejum, oração e penitência para católicos). Tanto que o termo carnaval pode ter origem em carne levare, que é algo como “remover a carne” (ou seja, segundo esse termo, nada de carne durante a quaresma inteira).

Pintura de 1822 dos primórdios do carnaval “made in brazil”. Sim, era bagunça desde os tempos de D. Pedro I.

Os brasileiros, que parece que sempre gostaram de festa (e farra), fizeram os Entrudos, que consistiam de brincadeiras e festas (como o Brasil é grande, cada lugar inventou seu entrudo). Algumas envolviam jogar líquidos (qualquer tipo de líquido, incluindo… Água, isso mesmo!) nas pessoas. Depois vieram os cordões e blocos de carnaval, marchinhas, escolas de samba, trios elétricos e outras variações.

Sorocaba também tem desfile de escolas de samba! Geralmente, a chuva desfila junto.

Agora que você já entendeu um pouquinho sobre essa festa tão adorada pelo povo brasileiro, lembre-se que amanhã já é quarta-feira de Cinzas e a festa acaba.

ClaMAN

P.S.1: se eu referenciei algum grupo militante, entendam que, mesmo que essa seja a intenção, não faço parte de nenhum movimento político, não pretendo fazer propaganda e posso ser contra esse grupo ocasionalmente. Aliás, fora Temer.

P.S.2: Amanhã é Valentine’s Day. Esperem por bastante chocolate (e garotas de anime).

P.S.3: Aliás, hoje teve desfile das escolas de samba de Sorocaba (e, aliás, hoje choveu por aqui).

Aquele momento em que você se esquece do aniversário de alguém

Só pra lembrar que estamos vivos.

Arrependimento e idiotice

Enfim, boa tarde, para aqueles que acharam que eu tinha morrido… A resposta para vocês é “não, eu não morreria tão fácil”. Eu só estava de férias (e ainda estou, haha).

Vamos ao ponto: Esse blog fez aniversário de fundação no último dia 8. De alguma maneira, agora isso aqui é um blog de 7 anos de idade. Yay!

Êeeee (espero que vocês não lembrem que usamos essa imagem desde 2015)

Fora isso, estamos no meio do carnaval, aquela época do ano cheia de folia, festas, DSTs, confusões, substâncias ilícitas… Amanhã teremos postagem sobre isso. Depois de amanhã, na quarta-feira de Cinzas, temos Valentine’s Day. Depois, na quinta-feira, volta às aulas (atrasado). Depois, não faço ideia. Ainda devo uns dois AnimeRelacionados para vocês.

ClaMAN

P.S.: Lembram que, em 12 de junho de 2017, eu falei que o Doze Estações ia voltar? Eu estava falando sério.

Respondendo a dúvidas sobre o Papai Noel

Todo Natal tem o Papai Noel aparecendo. Mas que tal lermos mais sobre esse velhinho barbudo de vermelho?

Como todos (ou pelo menos a maioria dos cristãos e povos ocidentais) devem saber, daqui a dois dias é Natal. O Natal é a festa que celebra e relembra o nascimento de Jesus Cristo, segundo a tradição cristã, mas o ser mais popular que simboliza o Natal é Papai Noel.

Desenho vetorizado de Papai Noel.

Papai Noel, Santa Claus, Bom Velhinho, aquele cara barrigudo de barba branca que tem em quase todo shopping center. Segundo a lenda, ele é um senhor gorducho de barba branca de roupas vermelhas e gorro natalino que mora no Polo Norte (mais especificamente ao norte da Finlândia, segundo o Wikipedia, ou no Alasca, segundo os estadounidenses).

É dito que ele possui uma oficina de brinquedos (atualmente, deve ser uma importadora para atender também a pedidos de artigos eletrônicos e videogames, mas enfim), onde trabalham (se é remunerado, não sei dizer) elfos para produzir os artigos para as crianças.

Uma visão disneyística da fábrica/oficina/o que quer que seja do Papai Noel.

Aliás, lembremos que Papai Noel atende a pedidos de crianças ao redor do mundo, por meio das cartas (manuscritas enviadas pelo correio – nada de WhatsApp) que recebe. Se a criança foi bem comportada durante o ano (como é que ele sabe, por espionagem? Papai Noel é stalker…), então recebe seu presente de Natal.

Estive lendo aqui e parece que seu nome não está na minha lista de crianças bem comportadas… (ignore que a lista está repleta de nomes de domínios de internet)

Para as entregas, Papai Noel adota um sistema bem peculiar. Em vez de ter centros de estoque próximos aos consumidores finais (as crianças) e usar diversos meios de transporte adequados a cada região, Papai Noel prefere entregar os presentes pessoalmente, usando um trenó (bem, ele mora numa região que é gelo o ano todo, então lá funciona) puxado por renas que voam (e assim resolve o problema que seria andar com um trenó por locais sem neve), carregando os presentes num grande saco vermelho (logo, Papai Noel seria uma versão de homem do saco?).

31 horas para entregar presentes ao mundo todo = é preciso voar muito rápido MESMO.

Sem nenhum bom senso, Papai Noel entra pela chaminé (e se não tiver chaminé? Dizem que é pela janela, ou também pode ser usando magia e entrando pela porta) das casas para deixar o presente das crianças em meias na lareira (ou debaixo da árvore de Natal, ou embaixo da cama). Se encontrar biscoitos, come-os (de novo, sem nenhum bom senso).

Papai Noel invadindo, quer dizer, visitando uma casa para entregar algum presente (na verdade, pode ser um ladrão disfarçado, mas aí é outro problema).

Essa é a rotina do Papai Noel em época natalina, segundo contam.


Agora, sem mais delongas, vamos tentar responder a dúvidas:

P. Papai Noel existe?

R. Sim. Você não vê fotos dele, histórias dele e o próprio Papai Noel em shoppings e lojas? Então existe. Assim como personagens de animes existem. Se quiser outra opinião, leia aqui.

P. Ouvi dizer que Papai Noel é São Nicolau. Tá certo?

R. São Nicolau é um santo que viveu no século III. Papai Noel surgiu em torno de 1800, associado ao “Father Christmas” (Pai Natal em tradução literal) que era a representação do espírito de Natal. Uma história se funde com a outra (por exemplo, a história de que São Nicolau jogava dinheiro e comida aos necessitados pelas chaminés de suas casas (pergunta paralela: e quem não tinha casa?) e as roupas do “Father Christmas” serem semelhantes a do atual Papai Noel) e dá nisso.

P. Papai Noel é comunista? Ele tem barba, só se veste de vermelho, dá coisas pra todo mundo (como diz a música, “Seja rico ou seja pobre, o velhinho sempre vem)…

R. Ele só é um senhor generoso mesmo. Ou assim espero que seja. Aliás, segundo as histórias (e o Wikipedia), ele já teve roupas verdes, mas a Coca-Cola impulsionou o visual vermelho dele. Ou seja, se a Coca-Cola tá no meio, é lógico que ele não é comunista.

P. Qual é o endereço do Papai Noel? Quero mandar cartinha pra ele.

R. Se você estiver no Canadá, pode mandar para o código postal H0H 0H0. Na Finlândia, mande para Santa Claus Main Post Office, FI-96930, Arctic Circle, Finland. No Brasil, depende da região (afinal, com aquele casaco, Papai Noel não deve ficar muito tempo por aqui), veja em alguma agência dos Correios (ou entregue na própria agência, deve dar certo).

P. Não fui uma criança bem comportada esse ano. O que vai acontecer comigo?

R. Segundo a maioria das histórias, vai ganhar galhos ou carvão (é o que Papai Noel vai encontrar em sua lareira, se você por acaso tiver uma lareira em casa). Pode ser alho também (pra você temperar melhor sua vida). Não sei de nenhum castigo pior, então fique tranquilo (e se esforce para se comportar melhor e ganhar seu iPhone 8 no ano que vem).

P. ClaMAN, o que você pediu ao Papai Noel?

R. Férias.


E assim acaba essa postagem sobre Papai Noel.

Papai Noel te desejando Feliz Natal.

ClaMAN

P.S.: Esqueci de falar que Papais Noéis são boas opções de emprego temporário para homens idosos (embora alguns jovens também acabem sendo Papais Noéis em época de necessidade), barbudos (embora exista barba postiça) e gordinhos (embora sempre possa ser usado enchimento ou mesmo alguma almofada). Essa época de dezembro rende bastante.

P.S.2: Natal não é tempo só de presentes, é tempo também de garotas em roupas natalinas.

Aí está a roupa, só falta a garota.
Pronto, aí está a garota. Hakurei Reimu, de Touhou. Arte por Da-Mii. Clique para ver no Danbooru.

Momento história: Proclamação da República

Um resumão de como foi a Proclamação da República dos Estados Unidos do Brasil, há 128 anos.

Em 1889 (ou seja, há 128 anos), o Brasil deixou de ser “Império do Brasil” (ou “Império do Brazil”, conforme escreviam no século XIX) para se tornar “República dos Estados Unidos do Brasil“.

Está bem… E daí? O que isso significou? Qual a diferença entre monarquia e república? Porque Brasil se escrevia com Z em vez de S no século XIX? Bem, isso tudo (ou quase tudo) será estudado agora, no nosso Momento História (escrito por um cara que não via graça em aulas de história até os 15 anos).

Na época em que fotos eram quase inexistentes, o jeito era acreditar nas histórias e fazer pinturas sobre elas. Proclamação da República por Benedito Calixto – Óleo sobre tela, 1893, 123.5 x 200 cm.

Começamos no Brasil Império, de Dom Pedro I e, depois de um período de transição porque o imperador abandonou o Brasil e o príncipe tinha só 5 anos, de Dom Pedro II. Só que, lá para 1870, já não era mais um império tão imponente. Os escravos queriam liberdade, os fazendeiros queriam escravos, os militares queriam atenção do governo, a Igreja Católica queria que o imperador parasse de se achar seu dono e, além de tudo isso, muita gente tinha lido e visto muita coisa estrangeira e achava que a pobreza e a crise do país (sim, desde o século XIX conosco) era culpa do imperador.

Republicanos na Convenção de Itu, 1873. Não me pergunte quem é quem.

Começaram, então, a surgir movimentos clamando pela república. Alguns queriam pegar armas e ir à luta (nota: essa mesma ideia deu errado 43 anos depois), outros queriam chegar de maneira pacífica. O objetivo era o mesmo que muitos políticos modernos ainda usam: um país unido, que garanta direitos para todos (que tenham dinheiro) e seja economicamente forte.

13 de maio de 1888. Acha mesmo que um fazendeiro da época ia ficar tão feliz de ver sua mão de obra gratuita indo embora?

Sendo o Brasil, essa ideia demorou para vingar. Só que, novamente, sendo o Brasil, assim que surgiu mais gente influente (leia-se: endinheirado$) e importante (incluindo fazendeiros com raiva da Lei Áurea (fica pra outro Momento História) que queriam se vingar da monarquia que libertou toda a força de trabalho deles sem pagar indenização por isso), o movimento ganhou força.

Quem que mais levou essas ideias de tirar o imperador (pessoa de família nobre, que “ganhou” o trono de seu pai ou ancestral comum e se acha o máximo) do trono e botar um tal de presidente (pessoa de família não necessariamente nobre, que foi eleita pelo povo e só fica alguns anos no poder)  no lugar?

Duvido que essa foto de militares de 1870 seja realmente de militares e tenha sido tirada em 1870, mas é só para ilustrar.

Militares, os “defensores da moral pátria brasileira”. Enquanto ministros podiam falar o que quisessem e fazer o que quisessem enquanto ganhavam pra caramba só pra serem puxa-sacos do imperador, militares eram obrigados a ficar quietinhos, sem participação política, só obedecendo ordens desses mesmos ministros. Chegou a hora de parar de apoiar um regime que não ligava para eles (ou seja, cansaram de ser ignorados pelo crush).

Marechal Deodoro. Para quem não sabe, Marechal é um título militar.

Como fazer, então, a estabelecida monarquia (estava ruim, mas ainda funcionava) tornar-se república? Já que não dava por meios legais, decidiram fazer um golpe de estado. Para isso, fizeram o marechal Deodoro da Fonseca, um monarquista de carteirinha, acreditar que sua amada monarquia (ou o Visconde de Ouro Preto, algo como “primeiro-ministro” brasileiro) tinha decretado sua prisão. Pior ainda foi descobrir que seria escolhido um novo “primeiro-ministro” e era ninguém menos que um cara que roubou uma moça que ele gostava. Bem, às favas com a monarquia.

Bandeira do Brasil República, que durou de 15 a 19 de novembro de 1889. Qualquer coincidência com a bandeira dos EUA é mera semelhança.

Então, no fatídico dia 15 de novembro de 1889, acordaram Deodoro (que estava meio doente, ainda por cima) e falaram que já era dia de transformar esse país numa república. Então, junto com um monte de soldados (tanto que o povo pensou que era uma parada militar), chegaram no Paço Imperial, mandaram prender o Visconde de Ouro Preto e proclamaram a República. Depois, no outro dia, o povo descobriu que era o próprio Marechal Deodoro que comandava o Brasil (agora como presidente!), D. Pedro II foi notificado e saiu de fininho para a Europa.

O que aconteceu depois? Bem, os militares ficaram no poder e tiveram apoio dos fazendeiros e latifundiários (ou seja, o “povo” para quem sempre governaram). O povo mesmo nem sentiu mudança e continuou sem entender o que aconteceu, como sempre.

E assim são as trocas políticas nesse nosso Brasil. Qualquer semelhança com a atualidade é por culpa de quem não sabe história.

Para encerrar: Praça da República, no Rio de Janeiro, onde (supostamente) foi proclamada a República há 128 anos.

ClaMAN

P.S.: Próximo momento história: provavelmente só no ano que vem. Carnaval, talvez?

P.S.2: Aguardem por mais umas 2 postagens esse mês.