Diário (inútil) do ClaMAN #5

O inverno (e as férias) estão chegando… Melhor preparar os agasalhos e fazer uma bebida quente.

Já chegamos a essa época do mês de novo…

Imagem ilustrativa. O ClaMAN não é a Eiki Shiki de Touhou e nem usa uma pena para escrever (embora a pilha de papéis ao lado direito dela seja semelhante à pilha de trabalhos pendentes deste editor). Arte por Kakao (noise-111).

Assim como nossas notas semestrais, a temperatura vem caindo (pelo menos em Sorocaba) e, assim como a sucessão de provas, trabalhos e tals nos deixam preocupados, estressados e tals, o friozinho (e chuvas ocasionais) trazem algumas consequências na saúde dos mais sensíveis:

  • Gripe/resfriado: coisa mais comum que aparece. Normal ver gente espirrando.
  • Rinite: Essas mudanças meteorológicas atacam o nariz sem dó. O jeito é andar com papel higiênico do lado.
  • Tosse: Muitas vezes vem como consequência da gripe. Quando é seca, pode chamar de “tosse alérgica” (deve ser alergia ao frio, só pode)

Bem, estamos em junho e isso signica que…

O INVERNO ESTÁ CHEGANDO

Lidem com isso enquanto eu vou tomar um cafezinho quente e me agasalhar. E boa noite.

Arte original por Kaginoni. Representa meu estado (de espírito) atual.

ClaMAN

P.S.: Inalação, chás quentes e repouso = remédios para (tentar) parar essas doenças típicas da época. Se não funcionar, procure um médico.

P.S.2: Postagem sobre inverno na quarta-feira. Tem a ver com Game of Thrones? Quem sabe… :P

Vida de estudante em fim de semestre

Você quer férias? Terá que passar pelas provas e trabalho de fim de semestre primeiro!

Começou a época de fim de semestre e, como todo fim de semestre, qualquer estudante começa a frequentar igrejas para rezar pela nota (e, se for católico, vai fazer novena a Sto. Expedito, santo das causas impossíveis), ou a invocar criaturas sei lá de onde para salvar-lhe do perigo da DP, ou a correr atrás de professores só para chorar um último trabalho que salve sua nota.

Esses fins de semestre são horas de ver quem se salvou na matéria indo embora sorridente e de ver os corações partidos e os litros de lágrimas de quem já sabe que aquela matéria lhe espera novamente no semestre seguinte.

Porém, se ainda há a chance de salvação/redenção, é comum ver os estudos e as dúvidas urgentes surgindo cinco minutos antes da prova, e família, amigos, jogos e até amores sendo deixados de lado.

“Não vai dar para sair com você no dia dos namorados, meu amor… Tenho que entregar um trabalho e fazer duas provas nesse dia.”

De qualquer maneira: tome muito café, tente estudar direito, relaxe de vez em quando e pense que, quando toda a tortura dessa fase acabar, tem férias.

ClaMAN

P.S.: Sim, teremos especial de Dia dos Namorados. Pelo menos uma postagem, no máximo três. Para os apaixonados de plantão, se preparem.

P.S.2: Para os solteiros, temos postagens normais a partir do dia 14.

Apresentações de trabalhos

Ah… A vida de estudante… A convivência com apresentações de trabalhos…

Não importa se for primário ou mestrado, um estudante sempre terá que conviver com uma coisa: apresentações.

Err, então, a revolução constitu… Consitu… Contribucionacionalista foi em… Mil novecentos e vinte e dois, né… E daí…

Segundo qualquer professor, a apresentação de trabalhos (ou seminário (não confunda com este seminário)) diante da classe serve para avaliar, além do próprio trabalho, a postura do aluno e sua proficiência e desenvoltura para falar em público. Afinal, no mercado de trabalho, o estudante terá que desempenhar diversas apresentações e expor suas ideias em público, e a escola é o local onde ele pode errar.

(Na verdade, apresentações de trabalho são simplesmente formas de tortura para os tímidos, são provas de fogo para os que não estudaram e são humilhações para os que fizeram o trabalho e tem que aguentar as pessoas do grupo distorcendo todo o conteúdo dele #SóAVerdade)

Não há idade para começar a fazer apresentações de trabalhos.

Apresentações de trabalhos costumam ser em bandos grupos (“professora, pode ser dupla de três?”) e, dentre os integrantes do grupo, sempre tem:

  • Aquele que fez o trabalho inteiro e deveria apresentar sozinho
  • Aquele que imprimiu as imagens/fez os slides e acha que sabe do trabalho todo
  • Aquele que é amigo do que fez o trabalho todo e não faz a mínima ideia do tema do trabalho
  • Aquele que tem uma vergonha danada de apresentar e, mesmo sabendo o conteúdo, provavelmente vai faltar no dia ou simplesmente começar a chorar durante a apresentação.
Porque esse tópico é muito importante para todos e… (continua a ler o slide)

No começo (primeiros anos da vida escolar), o estudante tem seu trabalho apresentado, seu cartaz colado na parede e pronto, sem pânico. No ensino médio, os professores já começam a fazer perguntas (leves, mas instigantes) sobre o tema. Aí você passa para uma faculdade/universidade e tem regras como: 20 minutos (no mínimo) para apresentar, entregar a parte escrita na semana anterior, as perguntas (do professor e dos alunos) passam a cobrar muito mais estudo…

Mas, se tem uma coisa que, não importa se o trabalho for individual ou em grupo, apresentado em cartaz, data show ou dancinha, com 3 ou 30 minutos para ser descrito, com professores legais ou que vão querer enfatizar que você não colocou o ponto final no slide 12 depois de destroçar sua alma pelo trabalho todo…

Sempre tem aqueles que fazem o trabalho no último instante possível (no pior dos casos, é quando o grupo anterior está apresentando)

ClaMAN

P.S.: Já terminou o próximo trabalho a apresentar para este mês? (Duvido)

P.S.2: Apresentei um trabalho hoje. Ainda bem que o professor fica com um humor melhor na nossa turma do que na apresentação de trabalhos da turma do semestre anterior. Sorte de “veterano”?

Algumas verdades da vida #1

Sabe aquelas receitas de um minuto? Tenho que te falar uma verdade sobre elas…

Sabe aqueles vídeos de “receitas de um minuto”? Sinto informar, mas essas receitas não levam um minuto para serem feitas.

Pode até levar um minuto para ensinar e, se você estiver com muita fome, leva um minuto pra comer, mas fazer isso não é tão rápido.

ClaMAN

P.S.: Será que isso vira uma série? Se virar, será que dura mais que um mês?

Games of ClaMAN #2: Touhou 7 ~ PCB

A história de Touhou 7 – Perfect Cherry Blossom. Cuidado, postagem longa!

(Eu sei, já tem um Games of ClaMAN #2, mas entendam como se fosse um #2, parte 2)

Touhou Youyoumu – Perfect Cherry Blossom (lançado em 2003)

3 anos depois de falar do Touhou 6 e com o lançamento do Touhou 16 próximo, acho que já é hora de continuar explicando o que é essa série sequência de jogos… Está interessado em partir para mais uma aventura?

Continue Lendo “Games of ClaMAN #2: Touhou 7 ~ PCB”

Imagem e Postagem – 2ª temporada #10

O conceito do que seria uma imagem foi levado um tanto além…

O que vem na sua mente primeiro se eu falo em imagem? Vem uma foto? Uma pintura? Aquele .gif de “bom dia com alegria” que mandaram ontem no grupo de WhatsApp da família? Qualquer coisa passando na TV?

Deve ser por esse tanto de significados que, normalmente, o termo “imagem” é substituído por “foto” na maioria dos telefones – lendo o parágrafo acima, uma imagem pode ser qualquer coisa.

Mas você pode pensar que uma imagem pode ser associada à sua imaginação. Você não cria figuras e moldes quando lê algo? Por exemplo, se eu disser para você pensar em um carro, tenho certeza de que vai surgir na sua mente uma imagem de um carro, mesmo que você não esteja vendo um carro. Uma ideia e uma imagem, dependendo de que definição você veja, podem ser a mesma coisa.

Por isso, imagine que abaixo tenha uma imagem.

Pronto. A série Imagem e Postagem acaba aqui e agora, quem sabe não tenha uma 3ª temporada no ano que vem…

ClaMAN

P.S.: Você pode ver a primeira (e original) Imagem e Postagem aqui, ou acompanhar o andamento (e a decadência) da segunda por aqui.

P.S.2: Se algum leitor achar que eu estava sem ideia, então achou errado, porque a verdade é outra: estou com sono.

P.S.3: Poderia falar sobre os eventos políticos/sociais atuais, mas prefiro manter o blog longe desse mundo (e deixar vocês em dúvida sobre minha orientação política).

B Ô N U S :

Uma pasta com arquivos de imagens.

Diário (Inútil) do ClaMAN #3

Algumas emoções que mudam com o passar do dia. Normal, não é?

Mais uma edição (atrasada) daquele diário que não tem utilidade (e, por isso, ninguém lê) e que nem é um diário direito daquele editor que tem um diário de verdade no Twitter (@cslclaman).

Imagem ilustrativa. O ClaMAN não é a Akemi Homura de Mahou Shoujo Madoka Magica e nem está tão sem ideias quanto ela nessa fanart (artista: Torinone)(clique para ver a origem).

Enfim, na quinta-feira, foi anunciado o 16º jogo de Touhou (com isso, talvez seja hora de eu parar de enrolar e falar sobre os outros da série?). Fora isso, tem as estreias da temporada de animes (umas muito boas, outras nem tanto) e tem o resto dos compromissos (aulas, cursos, monitoria).

É tanto acontecimento que não dá pra manter o humor igual a todo instante:

  • Felicidade: Quando o programa compila e funciona certinho, quando o episódio daquele anime bom é lançado num dia inesperado (e adiantado), quando a nota na prova é (bem) maior do que a esperada, quando aquela pessoa por quem se nutre uma paixão te faz alguma declaração de afeto.
  • Frustração: Quando se desaponta alguém (ou você mesmo), quando o programa não roda direito mesmo depois de ser reescrito três vezes, quando você esperava alguém e esse alguém nem apareceu.
  • Raiva: Quando o programa continua não rodando mesmo depois de uma garrafa de café, um terço inteiro rezado e mais 5 reprogramações, quando o motorista passa direto pelo ponto mesmo você dando sinal para ele quando ele ainda estava a um quilômetro de distância.
  • Tristeza: Quando se assiste uma história dramática com final trágico, quando alguém dá uma notícia meio tensa, quando o único grupo que traduzia o único anime bom da temporada entra em hiato.
  • Alegria: Quando o dinheiro cai na conta, quando aquela pessoa por quem se nutre uma paixão responde a mensagem que você mandou.
  • Relaxamento: Quando o trabalho é concluído vários dias antes da data de entrega (e não na madrugada anterior), quando um(a) massagista oriental faz uma massagem depois de um dia duro de trabalho/estudo.
  • Mau humor: Quando se acorda em cima da hora depois de “dormir” por três horas, quando se é repreendido diversas vezes seguidas por coisas que não são responsabilidades suas, quando se está com fome e/ou sono e tem que se escutar baboseiras por aí.
  • Desespero: Quando a impressora inventa de limpar a cabeça de impressão com a tinta acabando e em plena necessidade de imprimir um trabalho de mais de 20 páginas em menos que 5 minutos, quando falta apenas 30 minutos para o fim da prova e ainda se está na primeira questão.
  • Tédio: Quando se está naquela aula de recapitulação de uma matéria que você já sabia, quando se está preenchendo montes de fichas iguais em um trabalho repetitivo, quando o mundo comum parece muito comum e nada diferente acontece.

No momento em que escrevo esta linha, a única emoção que se aplica a mim não é uma emoção, mas um estado: sono.

ClaMAN

P.S.: Esse diário saiu atrasado porque eu queria publicá-lo no dia 19, mas essa semana foi meio cheia e eu fui adiando, adiando… Escrevi na madrugada do dia 21.

P.S.2: Tentar dar um rage nesse fim de semana para agendar postagens para a outra semana e evitar esses buracos de 5 dias sem postagem.